Realidade aumentada, realidade virtual e realidades mistas. O Que são e para que servem?

Realidade aumentada, realidade virtual e realidades mistas. O Que são e para que servem?

Explicamos as diferenças entre estas três tecnologias que estão intimamente relacionadas e podem ser utilizadas no sector da arquitetura, engenharia e construção

A investigação sobre realidades (realidade aumentada, realidade virtual e realidade mista) começou há várias décadas. Contudo, só no ano passado é que começaram a ter um impacto direto nos consumidores. Em números globais, o investimento nestas tecnologias estima-se que terá atingido 14.400 milhões de euros no final de 2019 e espera-se que aumente dez vezes até 2023. 

No BIMserver.center, plataforma mundial, aberta, de colaboração na nuvem, para projetos de arquitetura, engenharia e construção utilizando formatos standard abertos, também nos empenhámos no desenvolvimento destas tecnologias disruptivas para oferecer aos nossos utilizadores e clientes as melhores ferramentas para realizar os seus projetos de construção com maior segurança e eficiência.

Estando conscientes de que ainda existem algumas dúvidas sobre as diferenças entre realidade aumentada, realidade virtual e realidades mistas, daremos uma breve explicação sobre quais são as características de cada uma delas e o que as distingue.

Realidade virtual

A realidade virtual é a tecnologia que nos permite substituir o nosso ambiente por outro gerado digitalmente. Para criar este novo ambiente, a realidade virtual necessita normalmente de óculos de realidade virtual para nos conduzir ao novo lugar e viver todo o tipo de experiências que acontecem como se fosse a vida real. Esta tecnologia é utilizada para criar mundos, ambientes e realidades independentes do exterior, com os quais se pode interagir.

Realidade aumentada

A realidade aumentada é a tecnologia que nos permite sobrepor camadas de informação sobre o mundo físico em que nos encontramos. A principal diferença relativamente à realidade virtual é o facto de não criar um novo ambiente, independente da realidade, mas criar conteúdos virtuais que são aplicados ao mundo real. Para usar realidade aumentada, tudo o que necessita é de um smartphone com uma câmara ou um tablet e uma aplicação de realidade aumentada. Aplicada ao sector da construção, a realidade aumentada implica uma série de benefícios tais como melhorar a comunicação entre os agentes, otimizar processos, diminuir custos, reduzir erros e melhorar a produtividade.

Realidade mista

A realidade mista, por outro lado, é uma tecnologia mais complexa do que as duas anteriores e pode ser definida como um híbrido de realidade aumentada e realidade virtual. Especificamente, na realidade mista, o mundo físico funde-se com o mundo digital. Para este fim, oferece ao utilizador um mundo virtual que foi recriado sobre o mundo real, permitindo-nos interagir com o primeiro sem fugir totalmente do segundo. Assim, por exemplo, qualquer objeto virtual colocado num ambiente físico receberá informação sobre o espaço real e o seu contexto, o que faz com que fatores como a iluminação influenciem a perceção que temos dos objetos virtuais.

Estas três tecnologias destinam-se a coexistir e complementar-se mutuamente, porque oferecem uma experiência diferente que pode ser atrativa para diferentes utilizadores e satisfazer diferentes necessidades, dependendo do sector em que são aplicadas. A este respeito, o Informe XR: Radiografía de la Realidad Virtual, Aumentada y Mixta en España preparado pela Fundación Telefónica detalha que a penetração por sectores económicos destas tecnologias em Espanha é:

  1. Entretenimento (16%)
  2. Marketing e Publicidade (15%)
  3. Educação e Formação (15%)
  4. Turismo (14%)
  5. Arquitetura, engenharia ou indústria (12%)
  6. Real Estate (7%)
  7. Saúde (7%)
  8. Divulgação de tecnologia (5%)
  9. Serviços (5%)
  10. Cidadania (4%)