fbpx

Realidade aumentada, realidade virtual e realidades mistas. O Que são e para que servem?

Realidade aumentada, realidade virtual e realidades mistas. O Que são e para que servem?

Explicamos as diferenças entre estas três tecnologias que estão intimamente relacionadas e podem ser utilizadas no sector da arquitetura, engenharia e construção.

A investigação sobre realidades estendidas (realidade aumentada, realidade virtual e realidade mista) começou há várias décadas. No entanto, foi apenas nos últimos anos que estas tecnologias começaram a ter um impacto direto nos consumidores. Em números de âmbito global, o investimento nestas tecnologias atingirá 140.400 milhões de euros até ao finais de 2023

Um ponto de viragem na utilização destas tecnologias ocorreu em 2020, quando o impacto da COVID-19 impulsionou o mercado destas tecnologias de forma proeminente, crescendo tanto na produção e venda de hardware como no desenvolvimento de conteúdos e aplicações.

Os smartphones, os dispositivos AR e MR prometem tornar-se tecnologias essenciais e reformular completamente a forma como as pessoas comunicam e acedem a serviços e informação. Como resultado, as empresas estão a tentar adaptar-se a esta nova tendência, reformulando os seus serviços para interfaces espaciais e compreendendo como funcionam.

No BIMserver.center, plataforma mundial, aberta, de colaboração na nuvem, para projetos de arquitetura, engenharia e construção utilizando formatos standard abertos, também nos empenhámos no desenvolvimento destas tecnologias disruptivas para oferecer aos nossos utilizadores e clientes as melhores ferramentas para realizar os seus projetos de construção com maior segurança e eficiência.

Portanto, e estando conscientes de que ainda existem algumas dúvidas sobre as diferenças entre realidade aumentada, realidade virtual e realidades mistas, daremos uma breve explicação sobre quais são as características de cada uma delas e o que as distingue.

Realidade virtual

A realidade virtual é a tecnologia que nos permite substituir o nosso ambiente por outro gerado digitalmente. Para criar este novo ambiente, a realidade virtual necessita normalmente de óculos de realidade virtual para nos conduzir ao novo lugar e viver todo o tipo de experiências que acontecem como se fosse a vida real. Esta tecnologia é utilizada para criar mundos, ambientes e realidades independentes do exterior, com os quais se pode interagir.

Realidade aumentada

A realidade aumentada é a tecnologia que nos permite sobrepor camadas de informação sobre o mundo físico em que nos encontramos. A principal diferença relativamente à realidade virtual é o facto de não criar um novo ambiente, independente da realidade, mas criar conteúdos virtuais que são aplicados ao mundo real. Para usar realidade aumentada, tudo o que necessita é de um smartphone com uma câmara ou um tablet e uma aplicação de realidade aumentada. Aplicada ao sector da construção, a realidade aumentada implica uma série de benefícios tais como melhorar a comunicação entre os agentes, otimizar processos, diminuir custos, reduzir erros e melhorar a produtividade.

Realidade mista

A realidade mista, por outro lado, é uma tecnologia mais complexa do que as duas anteriores e pode ser definida como um híbrido de realidade aumentada e realidade virtual. Especificamente, na realidade mista, o mundo físico funde-se com o mundo digital. Para este fim, oferece ao utilizador um mundo virtual que foi recriado sobre o mundo real, permitindo-nos interagir com o primeiro sem fugir totalmente do segundo. Assim, por exemplo, qualquer objeto virtual colocado num ambiente físico receberá informação sobre o espaço real e o seu contexto, o que faz com que fatores como a iluminação influenciem a perceção que temos dos objetos virtuais.

Tecnologias para utilização profissional

Estas três tecnologias destinam-se a coexistir e complementar-se mutuamente, porque oferecem experiências distintas segundo o sector em que são aplicadas. A este respeito, o relatório  XR INSIDE 2021 (NTT DATA) assinala que, desde 2020, o investimento das empresas em sectores económicos fora da indústria do entretenimento, líder na utilização destas tecnologias, está a crescer a passos largos.

Especificamente, as áreas de interesse que estão a crescer mais são Formação, Educação, Cuidados de Saúde, Turismo e Jogos. Como resultado, o estudo constata que “as empresas estão a tentar adaptar-se a esta nova tendência, reformulando os seus serviços para interfaces espaciais e compreendendo como funcionam”.

Em 2018, o relatório Informe XR: Radiografía de la Realidad Virtual, Aumentada y Mixta en España preparado pela Fundación Telefónica detalhou detalhou a penetração destas tecnologias em Espanha por sector económico:

Utilização de realidades estendidas por país

Entretanto, o último relatório da PwC Seeing is believing. How virtual reality and augmented reality are transforming business and the economy destaca a evolução da indústria destas realidade, estimando que irá gerar um volume de negócios de 1,5 biliões de dólares na economia mundial até 2030.

Por país, os Estados Unidos serão os que mais beneficiam com a aplicação destas tecnologias, estimando que a AR e a VR terão um impacto económico de 515.520 milhões de euros em 2030, equivalente a um aumento do seu PIB de 2,83%. O país norte-americano é seguido pela China e Japão, que, com 175.968 e 137.472 milhões gerados, respetivamente, registarão um crescimento do PIB de 2,09% e 2%.

Na Europa, o estudo centra-se nos casos da Alemanha, Finlândia, Reino Unido e França, que, segundo o documento, verão o seu produto interno bruto crescer 2,46%, 2,64%, 2,44% e 0,72%, respetivamente.

mm
Partilhar

Mais artigos